sexta-feira, 10 de julho de 2009

Vida de quem pega trem no Rio

Este post contém minhas opiniões sobre esse assunto, elas são baseadas em fatos mas podem conter exageros. Leia o post como simples entretenimento.Trem%20da%20Supervia

Desde o começo do ano volto para casa depois da escola de trem, porque de ônibus levaria uma hora a mais e ainda ficaria parado a maior parte do tempo, o que é pior que a demora. Mas o serviço prestado pela Supervia está longe do ideal.

O problema já começa na fila, Na hora de maior movimento é comum ter filas grandes em qualquer tipo de serviço, mas o problema é que ao invés de aumentar a quantidade de bilheterias funcionando a Supervia deixa algumas fechadas, fazendo a fila ficar maior ainda, isso não acontece no Metrô. O pior é que como eu sou estudante de uma escola federal tenho direito a gratuidade*, e das duas bilheterias que tem escrito Gratuidade/dinheiro só uma fica aberta, e freqüentemente a fila vai de um lado ao outro da estação. Depois de acordar cedo e passar o dia inteiro na escola ainda temos que ficar em pé numa fila enorme só porque somos gratuidade, enquanto as outras filas tem 1/3 do tamanho.

O outro problema é para entrar nos trens. Na hora do rush o  movimento é grande e a Supervia sabe disso, mas só manda trens com 8 vagões no ramal Deodoro de vez em quando, quando o ideal seria todos os trens na hora do rush terem 8 vagões. Nos trens com apenas 4 vagões para entrar todos empurram, e as vezes é necessário porque o maquinista fecha as portas antes de todos que estão tentando entrar no trem entrarem. E a quantidade de pessoas nos trens de 4 vagões é maior que o ideal(não sei o ideal, mas com certeza é menor que a quantidade que normalmente tem). Vão todos apertados, parece o metrô(mas esse é o principal problema do 08_MHG_trens2metrô, diferente do trem), mas se a Supervia mandar um trem com 8 vagões isso não acontece. Eu fico observando os trens do ramal Gramacho e Saracuruna e eles mesmo tendo 8 vagões vão cheios,  a solução para isso é diminuir o intervalo entre os trens.

Um grande problema da supervia é a conservação dos trens. Os  trens coreanos são os melhores que tem, muito longe dele está os trens reformados que ganharam ar condicionado, esses são os únicos trens decentes. Todos os outros são mais velhos que eu e provavelmente meus pais já andaram neles, na época em que eram jovens. De acordo com uma matéria do jornal Extra, das 159 composições, 20 são trens coreanos, 52 são da década de 60 e 73 são da década de 80. Tem tremMAFERSA_SERIE_700_006 funcionando que é mais velho que meu pai. Um trem de 49 anos ainda é seguro e confortável? Acho difícil. Uma vez eu peguei um trem direto para Santa Cruz, caindo aos pedaços era pouco para aquele trem, mal tinha iluminação, a maioria dos suportes para segurar estavam quebrados entre outros problemas. Indo pra Central já peguei trem que algumas partes do forro das paredes tinha caído.

Alguns trens também fazem um barulho muito alto ao frear, que mesmo eu não conhecendo sobre manutenção de trens sei que não é normal. E com esse barulho fico pensando, será que o trem é seguro? Também tem os problemas das portas que não abrem, que eu só vi acontecendo em trens reformados e coreanos. A porta parar de funcionar durante o trajeto é aceitável, mas eu já peguei um trem coreano na estação de São Cristóvão(2ª estação depois da central) que uma das portas não abria, e essa porta não parou de funcionar na estação Praça da Bandeira, tenho certeza.

Outra coisa que eu não entendo é porque tem trem reformado e com ar parado(desligado na zona onde os trens ficam “estacionados”) na estação de Deodoro ao invés de estar trabalhando. A Supervia tem que usar mais os trens novos, que trazem mais conforto aos usuários. Ir para casa ou escola/trabalho sentado num trem coreano me dá vontade de ler, observar a paisagem, pensar na vida, já nos outros trens a vontade é de sair logo dali.

Essas são os principais problemas que eu vejo na Supervia e espero  que com a chegada dos trens chineses o conforto nos trens aumente. O trem não é o melhor meio de transporte público da cidade, mas é o que me deixa em casa mais rápido, e como eu não gosto de ficar em engarrafamento, vou de trem. E durante a pesquisa por imagens nesse tópico eu encontrei esse tópico em um fórum com fotos dos principais modelos de trem da Supervia, e uma das fotos desse tópico é dali, tirada por “renanfsouza”.

Para terminar: há algum tempo atrás enquanto um amigo e eu falávamos mal da Supervia ele me disse que os trens do ramal Vila Inhomirim eram com “marias-fumaças”, na hora eu não acreditei, mas durante a busca por imagens eu confirmei isso, os trens desse ramal são movidos a diesel. Mais uma coisa pra Supervia resolver logo, porque além de poluir o meio ambiente não é um exemplo de bom serviço.

Até mais!

*Algumas pessoas são contra a gratuidade nos transportes públicos, mas nós somos o futuro do país. No meu caso eu tive que fazer uma prova dificílima para entrar nessa escola e ter direito a gratuidade e imagina ter que pagar 4,90 todo dia pra ir e voltar da escola, isso porque eu moro na cidade, tenho um amigo que mora em São Gonçalo e pagaria R$12,00 por dia pra ir e voltar, imagine isso em um mês e depois em um ano, e no final dos 3 anos de ensino médio.

Ocorreu um erro neste gadget
Por algum motivo que ainda não descobri, os comentários podem não aparecer para usuários do Internet Explorer. Estou trabalhando no problema, desculpe o transtorno.